A SOJA E O PREJUIZO À SEXUALIDADE HUMANA

Este alimento "saudável" tem marcantes efeitos sexuais adversos

Postado por Dr. Mercola | 14 jun 2012

Se a mulher estiver grávida ou planeja ter um bebê, ela pode querer examinar as novidades em pesquisas sobre os efeitos de estrógenos de origem vegetal, como os encontrados na soja, e que se relacionam com o feto.

De acordo com o Medical News Today(1), um artigo publicado em Biology Reproduction (2) indica que a exposição a produtos químicos estrogênicos no útero ou durante a infância tem o potencial de afetar adversamente a fertilidade mulheres em idade adulta.

Isto é consistente com investigações anteriores sobre os efeitos neonatais de exposição aos fito-estrógenos ou aos agentes estrogênicos ambientais. Em estudos com ratos, pesquisadores descobriram que as causas de infertilidade incluem:

• A falta de ovulação;

• Diminuição da capacidade do oviduto em apoiar o desenvolvimento do embrião antes da ovulação;

• Falha do útero para apoiar a implantação eficaz de um embrião em estágio de blastocisto.

De acordo com o Medical News Today:

“Agora, a equipe de pesquisa relatou que a exposição neonatal à genisteína  (isoflavona, NT) afeta o nível de resposta imune no oviduto de ratos, conhecido como resposta imune de mucosa. Alguns dos genes de resposta imune foram alterados a partir da época de tratamento com genisteína, enquanto outros foram alterados muito mais tarde, quando os ratos estavam em fase inicial de gravidez.

Juntos, estas alterações causam uma alterada e danosa resposta imunológica mais um prejuízo do suporte do oviduto para pré-implantação dos embriões em desenvolvimento, ambas as circunstâncias provavelmente contribuem para a infertilidade."

Uma vez que o desenvolvimento humano do trato reprodutivo continua na puberdade, os pesquisadores acreditam que a exposição a produtos químicos estrogênicos em humanos do sexo feminino desde o feto, passando pelo nenê, pela menina e pela adolescente, pode oferecer um impacto em sua fertilidade. Os autores sugerem que a redução do uso de fórmulas infantis à base de soja (leite de soja, NT) seria uma medida para a manutenção da saúde reprodutiva feminina.

Uma pesquisa anterior também descobriu que compostos com genisteína afeta o esperma que busca chegar até ao óvulo. Mesmo pequenas doses desses produtos no trato feminino podem destruir os espermatozoides, o que pode afetar de modo primordial a sua capacidade de procriar. (Link)

Você ainda acredita que a soja é um alimento saudável?

A soja contém compostos chamados isoflavonas (ou fitoestrogenios da soja), que foram reconhecidas como capazes de produzir uma gama de atividades hormonais leves no corpo humano por imitar o hormônio sexual estrogênio. Um risco aumentado de câncer de mama é outro risco potencial, especialmente se você tiver sido exposto desde o nascimento a um grande número de compostos que imitam o estrogênio.

Para piorar, a menos que você comprar produtos de soja 100% certificada como orgânica, a verdade é que você está consumindo soja geneticamente modificada, ou que esteja alimentando seu bebê com ela, ou qualquer produto outro GMO (produtos geneticamente modificados, NT)- sendo que a soja em especial – tem sido associada com sérios problemas de fertilidade.

O glifosato, o ingrediente ativo do Roundup®, também tem sido implicado em causar abortos, e soja convencional e geneticamente modificada é geralmente tratada com doses elevadas desse herbicida.

Em geral, os riscos para a saúde dos produtos de soja não fermentados - especialmente variedades geneticamente modificadas - são tão graves e numerosos que é recomendado evitá-las por completo, esteja você planejando engravidar ou não. Mas é evidente que há uma preocupação especial para as mulheres grávidas.

Muitos suplementos utilizam lecitina, que normalmente é feita a partir de soja geneticamente modificada.

Infelizmente, muitos americanos que estão comprometidos com um estilo de vida saudável, foram enganados e manipulados para crer que produtos não fermentados de soja e produtos processados de soja como o leite de soja, o queijo de soja, os hambúrgueres de soja e o sorvete de soja sejam saudáveis. Este é um caso trágico de marketing experto e sofismas que têm como resultado final a produção de grandes lucros para a indústria da soja, tanto como problemas de saúde em longo prazo para a maioria das pessoas que foram enganadas com a utilização de soja não fermentada.

Por que NUNCA deve alimentar o seu bebê com fórmula infantil de soja

Quase 20 por cento dos bebês norte-americanos atualmente estão sendo alimentados com  fórmulas de soja (leite de soja), mas como demonstrado no estudo apresentado, o estrógeno da soja pode causar danos graves a longo prazo para o desenvolvimento sexual do seu bebê e sua saúde reprodutiva.

É importante perceber que a alimentação de seu bebê com fórmulas de soja é como dar um número estimado de quatro a cinco pílulas anticoncepcionais diariamente. Os bebês alimentados com leite de soja têm até 20.000 vezes a quantidade de estrogênio circulante, em comparação com outras crianças alimentadas com outras fórmulas.

Um estudo de 1997 no jornal The Lancet (3) foi publicado a descoberta de que crianças que consomem fórmulas de soja foram expostas a níveis de 6-11 vezes mais de fitoestrogênios - dependendo do peso corporal – do que os que os adultos que consomem alimentos de soja. E quando você considerar o fato de que beber dois copos de leite de soja por dia durante um mês fornece o suficiente desses compostos que alteram o seu ciclo menstrual, se tem certeza que você pode entender o enorme problema que é o leite de soja.

Os meninos também são afetados pela fitoestrogênios. Meninos experimentam um aumento de testosterona durante os primeiros meses de vida. Os níveis de testosterona podem ser tão elevados como as de um homem adulto. Durante este período, meninos são programados para expressar características masculinas após a puberdade, não só no desenvolvimento de seus órgãos sexuais e outros traços masculinos, mas também no estabelecimento de padrões característicos do cérebro que governam o comportamento masculino.

Saturar esse sistema com hormônios femininos durante este momento pode ter graves consequências no desenvolvimento, entre essas consequências se inclui testículos menores e diminuição significativa nos níveis de testosterona.

Hoje, cerca de 15 por cento das meninas brancas e 50 por cento das meninas Africano-Americanos mostram sinais de puberdade, como desenvolvimento de mamas e pelos pubianos, antes dos oito anos. Algumas meninas estão mostrando desenvolvimento sexual antes da idade de três anos! Este desenvolvimento precoce das meninas tem sido associado com o uso da fórmula com soja e à exposição a outros imitadores de estrogénio no meio ambiente (xeno-estrogênios, NT), tais como PCBs e DDE.

Fórmula infantil de soja pode reduzir o QI do seu bebê

Além dos prejudiciais disruptores endócrinos, a fórmula para lactentes à base de soja pode também conter mais de 1.000 % em alumínio do que as fórmulas convencionais à base de leite. O alumínio é uma potente neurotoxina que tem sido implicado no desenvolvimento da doença de Alzheimer e outras doenças cerebrais. De acordo com um estudo publicado na revista Pediatrics, jornal oficial da Academia Americana de Pediatria (4):

"O alumínio atualmente está sendo implicado como interferente em uma variedade de processos celulares e no metabolismo do sistema nervoso e de outros tecidos."

Mas isso não é tudo. Muitos alimentos com soja também têm níveis tóxicos de manganês. As fórmula com soja contém até 80 vezes mais manganês comparado com o leite materno, de acordo com estudos recentes, altas concentrações de manganês podem causar danos cerebrais em crianças e alteração de comportamentos em adolescentes. (5)

Raramente se fala em termos absolutos, no entanto, este é o exemplo que você diz: Nunca dê o leite de soja para sua criança. (Eu acho que a única exceção seria se houvesse um desastre e fórmula de soja ficasse como única fonte de alimento disponível para manter seu bebê vivo temporariamente.)

Os benefícios da amamentação e alternativas mais saudáveis

Um dos melhores presentes que você pode dar o seu filho que está iniciando a sua vida é uma sólida base nutricional, e a melhor maneira é através da amamentação. De fato, as estatísticas mostram uma clara correlação entre crianças alimentadas com fórmulas artificiais e uma mortalidade infantil aumentada durante o primeiro ano de vida.

É importante compreender que existem pelo menos 400 nutrientes do leite materno que não são encontrados em fórmulas infantis. Obviamente, quanto mais saudável a alimentação das mães, mais saudável seu leite. Além de que qualquer quantidade de leite materno é melhor que nada, amamentar seu filho pelo menos nos primeiros seis meses, é claramente benéfico, e o melhor para a saúde do seu bebê. Mais tarde, após os 6 ou 9 meses, se começa a suplementar com alimentos sólidos (ainda durante a amamentação).

Como pode ser visto no gráfico abaixo, o leite materno e leite de origem animal são muito melhores do que as fórmulas infantis disponíveis no mercado. O que é exatamente o que mais beneficia o seu bebê ao ser amamentado?

• Redução do risco de infecções do trato respiratório e do ouvido médio;

• Redução do risco de eczema;

• Redução do risco de obesidade;

• Aumento da proteção contra doenças cardíacas, diabetes, asma e alergias;

• Melhora o funcionamento do cérebro e as funções do sistema imunológico.

Nutrientes e

Fatores Imunes

Leite

Materno

Leite de Vaca Cru (Raw)

Leite de Vaca Pasteurizado

Fórmula Infantil Comercial

Enzimas antimicrobianas

ativas

ativas

inibidas

indisponíveis

Probióticos bio diversos

ativos

Ativos

destruídos

Adição artificial

Ác. graxos essenciais omega-3 e 6

Ativas

Ativas

Danificados

Adição artificial

Bactérias que produz lactase

Ativas

Ativas

destruídos

Indisponíveis

Proteínas delicadas

Ativas

Ativas

destruídas

alterados

Proteína que se conjuga c/ vit. B12

Ativa

Ativa

inativa

inativa

Vitaminas biodisponíveis

Ativas

Ativas

inibidas

inibidos

Cálcio biodisponível

Ativo

Ativo

Inibidas

Inibido

Fosforo biodisponível

Ativo

Ativo

Destruído

Inibido

Enzima fosfatase

Ativa

Ativa

Destruída

Indisponível

Oligossacarídeos

Ativos

Ativos

reduzidos

inativos

Linfócitos

Ativos

Ativos

inativos

inativos

Linfócitos-B

Ativos

Ativos

inativos

inativos

Macrófagos

Ativos

Ativos

inativos

inativos

Neutrófilos

Ativos

Ativos

inativos

inativos

Anticorpos IgA/IgG

Ativos

Ativos

inativos

inativos

Fator bifidus

Ativo

Ativo

inativo

inativo

Interferon-gama

Ativo

Ativo

inativo

inativo

Fibronectina

Ativa

Ativa

Inativa

Inativa

 

Há também benefícios para as mamães. As principais incluem a redução do  risco de doenças crônicas como câncer, recuperação mais rápida do peso pré-gestação e intensifica a relação entre elas e o bebê.

Existem certas condições médicas que impedem as mulheres de amamentar, no entanto, a maioria das mulheres é capaz de amamentar com sucesso. Se você precisar de ajuda, entre em contato com um consultor de lactação em sua área para obter ajuda e aconselhamento.

Você também pode visitar La Leche League, que é um recurso formidável para mães que amamentam. Se por algum motivo você não pode amamentar, ou adotou uma criança, a sua melhor opção é fazer uma fórmula usando leite cru. Aí você pode encontrar receitas para fórmulas lácteas caseiras.

Referências:

·         1 Medical News Today May 4, 2012

·         2 Biology of Reproduction May 2, 2012 [Epub ahead of print]

·         3 The Lancet July 5, 1997; 350(9070): 23-27

·         4 Pediatrics March 1, 1996; 97(3): 413-416

·         5 Environmental Health Perspectives January 2011; 119(1):138-43

 

Link original do artigo: AQUI

Artigo público - Internet - tradução google - umaoutravisao

Artigo UOV01300712