QUEIJO É BOM PARA SUA SAÚDE!

Texto de Joseph Mercola

Publicado em 17 de junho de 2013

 

Se você é um amante do queijo e está lutando para resistir a ele porque você já ouviu que o queijo não é bom para você, então prepare-se para uma notícia realmente boa. O queijo pode ser uma excelente fonte de nutrição, um alimento que você pode querer adicionar a mais em sua rotina alimentar, em vez de reduzir (ou retirar).

O queijo, especialmente aquele produzido a partir do leite de animais alimentados livremente no pasto, é uma excelente fonte de vários nutrientes importantes.

Um dos nutrientes mais valiosas do queijo é a vitamina K2, que os mais recentes estudos científicos a indicam é ainda mais importante para o seu coração, o cérebro e os ossos do que se pensava anteriormente. O queijo também oferece uma infinidade de vitaminas, minerais (inclusive cálcio), proteína e gordura.

Mesmo que você seja intolerante à lactose, existem muitos queijos que você provavelmente vai tolerar muito bem. A maior parte da lactose é removida durante o processo de fabricação de queijos. Adicionando o queijo com outros alimentos aumenta a capacidade de absorção de nutrientes importantes.

Este artigo tem como objetivo separar o fato do mito e dará orientações sobre como você pode incorporar os seus queijos favoritos em sua dieta diária, com alegria e gratidão ao invés de culpa.

Queijo vai entupir suas artérias ... e Outras falácias sobre alimentação

Embora ninguém sabe ao certo quando ou onde o queijo começou a ser produzido, o queijo tem sido importante há milhares de anos. Ele remonta à domesticação dos animais produtores de leite, entre 8.000 e 10.000 anos atrás.1 A história do queijo nos leva ao Império Romano, ao Oriente Médio, ao Tibete, à Mongólia, à Dinastia Ming, e, claro, à Europa.

Apesar de sua rica história e uma ampla base de fãs entusiastas, o queijo é muito criticado nos Estados Unidos, devido à dualidade gordura saturada / mito do colesterol.

Será que comer queijo leva à obesidade e a doenças do coração? Absolutamente não! Este mito infeliz decorre de uma hipótese ultrapassada e falha, perpetuada por décadas de marketing vigoroso e eficiente.

Vários estudos recentes têm confirmado que a gordura saturada não é associada com a obesidade nem com as doenças do coração, pelo contrário, sendo realmente associado com uma melhor saúde do coração. A maioria dos americanos hoje estão consumindo gordura saturada em quantidade insuficiente. Na verdade, os gregos, franceses e alemães comem muito mais queijo do que os americanos, mas desfrutam de menores taxas de hipertensão e obesidade. 2    

Esse autor acredita que um dos principais fatores que impulsionaram a obesidade seja o consumo excessivo de açúcar, grãos refinados e alimentos processados ​​na dieta americana padrão, agravada por um estilo de vida sedentário. Diante desses fatos, muitos especialistas em nutrição acreditam que a maioria das pessoas precisa de 50 a 70 por cento de gorduras saudáveis ​​em sua dieta para a saúde ideal, e eu concordo. O queijo é uma deliciosa maneira de ajudá-lo a atender a essa exigência. O queijo possui uma riqueza de características para uma boa nutrição, incluindo:

- Proteína de alta qualidade e aminoácidos;

- Gorduras saturadas, de alta qualidade e gorduras omega-3;

- Vitaminas e minerais, incluindo cálcio, zinco, fósforo, vitaminas A, D, B2 (riboflavina) e B12;

- Vitamina K2;

- CLA (ácido linoléico conjugado), um combatente ao câncer e reforço poderoso do metabolismo.

Queijo Natural Versus Queijo Falso

Há uma diferença entre o queijo natural e o queijo processado ou "alimentos à base de queijo." O natural é um produto simples de leite fermentado, feito com nada mais do que alguns ingredientes básicos - Leite, cultura promotora, sal e uma enzima chamada coalho. O sal é um ingrediente fundamental para o sabor, maturação e conservação. Você pode chamar um queijo natural pelo seu rótulo, que irá indicar o nome de sua variedade, como "queijo cheddar", "queijo azul", ou "brie". O queijo de verdade requer refrigeração.

A cultura inicial e os métodos de fabricação de queijos são fatores que dão a cada variedade de queijo seu especial sabor, textura, forma e perfil nutricional. Os seguintes fatores diferenciam entre uma variedade de queijo e outra:

- Cultura de partida específico, que é a bactéria ou estirpes de fungo que amadurecem o queijo;

- Tipo de leite utilizado (vaca, ovelha, cabra, etc), e as condições em que os animais foram criados;

- Métodos de gelar, cortar, cozinhar e formar a coalhada;

- Condições de amadurecimento tais como a temperatura, umidade e tempo de maturação (cura).

O queijo processado ou "alimento a base de queijo " é uma história diferente. Estes produtos são tipicamente pasteurizados e sofrem de outras formas de adulteração com uma variedade de aditivos que diminuem o seu valor nutricional. O rótulo sempre inclui as palavras "processado e pasteurizado", que deve ser uma pista para saber-se do que se trata. Velveeta 3  (marca de um produto da Kraft,NT) é um exemplo, com aditivos, como fosfato de sódio, citronato de sódio e vários agentes corantes. Outra dica é que a maioria não necessita de refrigeração. Então, seja Velveeta, Whiz Cheese, Squeeze cheese, queijo em spray, ou algum outro impostor - não são queijos reais e devem ser banidos do seu carrinho de compras.

Queijo de animais de criados no pasto é o definitivo

Idealmente, o queijo que você consome deve ser feito a partir do leite de animais alimentados com capim criados livres no pasto, ao invés de serem alimentados por grãos ou confinados e alimentados com ração de soja. A dieta biologicamente apropriada para vacas é a grama, mas 90 por cento dos queijos comuns de mercearia são feitos a partir do leite de vacas confinadas (dado dos EUA, NT). Estes queijos são nutricionalmente inferiores aos produtos de animais livres no pasto. Quanto melhor for a qualidade do leite, melhor será a qualidade do queijo ... é simples assim.

Mesmo os produtores de queijo (cheesemakers) irão dizer-lhe que o queijo de leite bruto tem um sabor mais rico e mais profundo do que o queijo feito de leite pasteurizado, porque o calor destrói as enzimas e as benéficas bactérias que acrescentam sabor ao queijo. Eles explicam que o queijo bruto tem sabor que deriva da pastagem de que se alimentam os animais que produzem esse leite, assim como o vinho é conhecido em revelar seus sabores originais das características das localidades dos parreirais. Laticínios de animais alimentados no pasto não tem apenas sabor melhor, eles também são nutricionalmente superiores:

 

- O queijo feito a partir do leite de vacas alimentadas com pasto tem a proporção ideal entre ácidos graxos ômega-6 e ômega-3 de 2:1. Em contraste, a proporção ômega-6 e ômega-3 do leite fornecido pelas alimentadas com grãos é fortemente tendenciosa para o lado das gorduras ômega-6 (25:1), que já estão excessivas na dieta americana padrão. Lácteos de alimentados com pasto combate a inflamação em seu corpo, enquanto que os lácteos de alimentados com grãos contribui para a inflamação.

- Queijo de alimentados com pasto contém cerca de cinco vezes mais CLA em relação ao queijo de alimentados com grãos.

- Como o queijo bruto não é pasteurizado, as enzimas naturais do leite são preservadas, aumentando sua carga nutricional.

- Queijo de alimentados com pasto é consideravelmente mais elevado em cálcio, magnésio, betacaroteno, vitaminas A, C, D e E.

- Queijo de alimentados em pasto orgânico é livre de antibióticos e hormônios de crescimento.

 

FDA reprime o consumo de queijo bruto

Durante anos, os reguladores federais foram ameaçando proibir produtos de leite bruto, incluindo o queijo, uma vez que eles dizem que há maiores riscos de segurança. Ultimamente, eles começaram a focar nos queijeiros artesanais, uma vez que esta é uma indústria em rápido crescimento na América. 4

No entanto, a repressão do FDA em queijo cru é baseado em um argumento falho. 5 De acordo com revelações de grist.org (organização investigativa), entre 1973 e 1999, não há um único relato de doença a partir de qualquer queijo cru ou pasteurizado. No entanto, desde o ano de 2000, as doenças começaram a igualmente a aparecer a partir de queijo cru e pasteurizado. A maioria dos focos foram encontrados como resultado da contaminação pós-produção e frouxidão no controle de qualidade, e não pela falta de pasteurização.

A verdade é que o queijo bruto não é inerentemente perigoso, desde os altos padrões sejam seguidos no processo de fabricação de queijos. Queijos duros como o cheddar secam à medida que envelhecem, tornando-os relativamente inóspitos para bactérias invasoras. O ataque do FDA ao queijo cru não se baseia em fatos, mas simplesmente é uma extensão da sua hostilidade de longa data ao leite bruto em geral.

Quanto tem de Sal nos Queijos?

Outra recente preocupação é de que o queijo contém níveis excessivamente elevados de sal. A Ação de Consenso sobre Sal e Saúde (CASH) - um grupo interessado na redução do sal nos alimentos processados, está pedindo que a indústria do queijo reduza a quantidade de sal no queijo.6 É verdade que a comida americana é o alimento mais salgado do mundo. Mas em que medida seria o queijo responsável pelo excesso de sódio na dieta americana?

O queijo parece um ator menor quando se considera a quantidade de sal nos alimentos processados ​​e de fast foods, ainda mais que esses são muito mais consumidos do que o queijo. Dê uma olhada na tabela abaixo, que compara os níveis de sal nos queijos mais salgados e os mais salgados itens de fast foods, e você entenderá o que se quer dizer. Tenha em mente que a ingestão de sódio deve ser inferior a cerca de 2.300 mg por dia, que é de aproximadamente uma colher de chá.

Cerca de 90 por cento do sal na dieta americana padrão vem de alimentos industrializados e comidas de restaurantes. Apenas cerca de 11 por cento é atribuível ao sal que você adiciona durante o cozimento e na mesa de jantar. Sua ingestão de sódio é ainda menor se você salgar a comida com sal marinho natural, em vez de sal processado. Parece claro que, dada toda a nutrição embalada em um pedaço relativamente pequeno de queijo, o sódio não é um grande problema, especialmente se você reduzir os alimentos processados ​​ou embalados e não comer fora com frequência.

 

Alimento (Queijos listados são as versões mais salgadas)

Sódio (mg)

Roquefort (100g) queijo

1.300

Edam (100g) queijo

1.200

Feta (100g) queijo

1.200

Chicken McNuggets (100g)7

1.600

Dunkin Donuts Salt Bagel8

3.420

Ruby Tuesday Chicken Piccata

4.194

P.F. Chang’s Mu Shu Pork

5.820

Red Robin Buffalo Clucks and Fries

4.479

P.F. Chang’s Pork and Double Pan-Fried Noodles — premiado como “O mais salgado prato da América”

7,900

.

 

A vitamina K2, vitamina D3 e cálcio – Tudo em Um!

O queijo contém uma mistura sinérgica de nutrientes que o tornam uma verdadeira potência nutricional. Quando consumidos juntos, vitaminas K2 e D3 e cálcio são especialmente poderosos para proteger seus ossos, cérebro e coração. E o queijo contém todos os três! A Dra. Kate Rheamue-Bleue, uma médico naturopata é autora de um dos livros mais completos sobre a vitamina K2. A vitamina K2 desempenha um papel crítico na proteção de seu coração, cérebro e ossos, bem como lhe oferece alguma proteção contra o câncer. 9 A vitamina K2 não apenas auxilia os canais de cálcio nas áreas apropriadas de seu corpo (ossos e dentes), como também impede que ocorra o depósito em lugares inadequados, como nas artérias e nos tecidos moles.

Então, utilizar suplementos de cálcio sem uma quantidade adequada de vitamina K2 têm-se uma configuração para a calcificação arterial e problemas cardiovasculares.

Considerando que os queijos são produzidos por diversas estirpes de bactérias, eles diferem no seu teor total de vitamina K2, bem como nos seus subtipos K2. Os queijos contêm principalmente subtipos MK-4, MK-8 e MK-9, em proporções variáveis. MK-4 é a forma menos biologicamente ativa (mas a forma mais abundante no queijo), por isso é preciso quantidade maior para o seu corpo se beneficiar. Os subtipos MK-7, MK-8 e MK-9 permanecem ativos no organismo por mais tempo assim seu corpo pode se beneficiar com níveis muito mais baixos.

De acordo com um estudo holandês de 2009, 10 os subtipos MK-7, MK-8 e MK-9 estão associados com uma reduzida calcificação vascular, mesmo com pequenas doses ingeridas (tão pouco como 1 a 2 mcg por dia).

Quando se trata de vitamina K2, como ficam seus queijos favoritos?

A Dra. Rheamue-Bleue identificou os queijos mais ricos em K2 que são o Gouda e Brie, contendo cerca de 75 mcg por onça (equivalente a 28 gramas). Queijos duros são cerca de 30 por cento mais ricos em vitamina K2 de queijos de textura macia. Ao examinar as tabelas nutricionais é interessante notar que os queijos mais elevados em vitamina K2 também tendem a ser mais ricos em proteínas e cálcio - mais nutritivos no geral. Basta perceber que os valores listados para "vitamina K" nas tabelas nutricionais comuns tem valor limitado porque não especificam o tipo de vitamina K que está sendo medida.

Os pesquisadores descobriram altos níveis de MK-7 em um tipo de queijo: Edam.11 Esta é uma notícia maravilhosa para aqueles para quem seria muito melhor se sentar por uma fatia de Edam do que uma tigela de natto! (Natto, um produto de soja fermentado japonesa fortemente, tem a mais elevada taxa de MK-7 do que qualquer alimento.)

Anteriormente, foi feita a ênfase para a seleção de queijos de animais criados livres no pasto. No entanto, os queijos contém vitamina K2 derivada de bactérias, então não importa se o queijo foi feito a partir de leite de fontes alimentadas ao pasto ou não - as bactérias utilizadas para a cultura do queijo são as mesmas. O leite de gado alimentado no pasto é importante para as outras razões já listadas - não especificamente para a K2.

Para resumir, então, se você está selecionando o queijo com o seu principal objetivo de ser uma boa fonte de vitamina K2, os melhores são:

Gouda

Brie

Edam

Outros queijos com níveis menores, mas significativos, de K2: queijo cheddar, Colby, queijo duro de cabra, Suíço, e Gruyere.12

Sorria e diga sim ao queijo!

Aos amantes de queijo alegrem-se! Não tenha medo de adicionar queijo de alta qualidade e saudável para a sua dieta. O queijo oferece uma mistura sinérgica de vitaminas, minerais, aminoácidos e ômega-3 ácidos graxos, incluindo o trio mágico de vitamina D3, vitamina K2 e cálcio. Esta tríade de nutrientes é de vital importância para reduzir o risco de doença cardiovascular e osteoporose. E não tenha medo de queijo de leite bruto (contanto que se trata de um queijeiro respeitável), que prevalece ao queijo comum, tanto sabor e nutrição.

Sua melhor opção é o queijo feito a partir do leite de vacas de pasto, ovinos e caprinos, em oposição ao de animais de confinamento e alimentados com grãos e soja.

Embora alguns queijos sejam bastante ricos em sal, os seus níveis de sódio são pálidos em comparação com aqueles dos “fast foods” comuns, alimentos processados ​​e pratos populares de restaurantes (tele entregas) que compõem uma grande parte da dieta padrão americana. As escolhas “top” são o Gouda, o Brie, e o queijo Edam, mas você não vai errar com um cheddar de alta qualidade, o suíço, o Colby, o Gruyere, e o queijo de cabra. Um site extenso sobre queijos, incluindo um banco de dados pesquisável por nome, país de origem, tipo de leite, e até mesmo a textura, você pode desfrutar do site www.cheese.com.

 

Fontes:

·         1 National Historic Cheesemaking Center

·         2 National Dairy Council “Cheese & Nutrition”

·         3 Diet Facts Velveeta

·         4 New York Times February 4, 2011

·         5 Grist February 10, 2011

·         6 Guardian November 29, 2012

·         7 NPR April 16, 2012

·         8 Men’s Health

·         9 ChrisKresser May 6, 2008

·         10 Nutr Metab Cardiovasc Dis September 2009

·         11 MedKB February 15, 2009

·         12 NutritionData

 

Texto original: AQUI!

Arigo publico - tradução Google/umaoutravisao

Artigo UOV28062013